Hoje é sábado aqui na Tailândia

 

Depois de ontem ter saído de Banguekok, hoje aproveitei

para visitar, um pouco da cidade, e fui visitar Ton Buri, que fica do outro lado do rio Praha, onde foi fundada a capital, sendo depois transferida para a outra margem, penso eu com melhores condições de defesa.

Em Ton Buri ficaram as igrejas portuguesas que ainda hoje existem assim como um seminário que visitei o ano passado.

A presença portuguesa, esta bem patente, basta se passear de barco pelo rio que lá esta a nossa bandeira hasteada onde existe a embaixada de Portugal.

Esta cidade mudou completamente, desde a primeira vez que aqui estive em 1989, era uma cidade quase invivavel, hoje esta muito melhor, nessa altura não havia outro transporte que não fosse o automóvel e os barulhentos tuk-tuk. As avenidas que outrora eram ocupadas pelos carros, hoje têm o metro de superfície, e um metro subterrâneo que nos levam a todo o lado, para se ter uma pequena ideia o metro de superfície vai a uma altura de um quarto andar, espraiando-se pelas avenidas que outrora suportavam todo o trânsito, e ainda existe o metro subterrâneo que percorre grande parte da capital, isto só visto.

Andando pela cidade pode ver-se sem problemas a presença portuguesa quer na culinária, quer muitas outras coisas.

Sei que existem ainda clubes de associados, que mantém vivas as tradições portuguesas nas terras do antigo Reino do Sião.

Hoje fui ver um pequenino templo onde existe um grupo de dançarinas de Buda, e parecem aquele ditado que se usa em Portugal nos funerais, em que o senhor padre diz, è rico e tem dinheiro fazemos tudo por inteiro se è pobre e não tem nada fazemos todo atrapalhado. Mas que tem isto a ver com estas dançarinas? Tudo, aqui è iguais, se paga muito cantam e dançam muito, se paga pouco elas contam e dançam pouco.

Na rua quando perguntam, o que acontece muitas vezes eu respondo Portuguet, toda a gente sabe o Pais de onde era essa gente de Portugal.

Existem passados tantos anos pessoas que ainda portam no nome algo que os identifica com o Pais de seus antepassados, embora sejam na realidade nomes já muito adulterados.

Amanhã bem cedo vou visitar o chamado mercado flutuante, que nas primeiras vezes que estive aqui se realizava bem perto da cidade mas por questões de segurança higiénica foi transferido para fora da cidade a 100 kilometros.

O mercado flutuante como o seu nome indica, era a comercialização dos produtos alimentares, e não só em pequenos barcos aos habitantes destas paragens.

È um espectáculo, ver os pequenos barquinhos só com a vendedora dentro, num canal em que os compradores apreciam e fazem o seu negocio. Vale a pena ver, tenho a certeza que vai gostar. Bom Sábado e bom fim-de-semana

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

17 + 8 =