Passeio cultural, a procura do passado.

Ainda a manhã estava chegando

, e já eu ia a caminho do rio Sabor, como o tempo mudou há 50 anos, teria encontrado muita gente pela ladeira abaixo hoje não se vê uma pessoa.

Depois de ter regados umas plantas, voltei caminho acima até ao Toural, e segui depois para o ribeiro dos trejeitos, e atravessei o Lagial, um monte que outrora só era percorrido por cabras ou ovelhas, mas agora foram abertas duas estradas agrícolas que o atravessam e fica muito fácil fazer esta caminhada.

O Toural, é um lugar mítico, que esta relacionada com coisas muito antigas, que até hoje ainda não se provaram, embora tenha esperança de um dia encontrar um pouco mais de vestígios nesse local.

Fui até ao ribeiro do freixo, onde antigamente havia muitos freixos e hoje ainda existem porque esta arvore é uma arvore em ascendência tal como o sobreiro dominantes por estas paragens, embora tenham sido plantadas muitas oliveiras e amendoeiras que ocupam os terrenos que outrora eram cultivados de cereais principalmente centeio e trigo, e hoje esta tudo ao abandono.

O motivo da minha visita era pesquisar no ribeiro do freixo, onde perto encontrei uma metade de uma mó manual, no ano passado e como me disse um arqueólogo que tinha que tentar descobrir algo mais, porque se estava lá esse utensilio também devia, haver mais vestígios desses povos que ocuparam estas terras em tempos passados.

Num terreno que eu achava ideal para a fixação de pessoas encontrei vestígios de cerâmica, embora não muito antiga, mas devem datar de antes da fundação de Portugal e devem ter abandonado este local quando, o Rei D. Afonso o Povoador, fez com que esses pequenos povoados se juntassem e deve ter terminado com muitas quintas ( um pequeno povoado) que outrora eram frequentes por estas paragens.

Havia aqui tudo o que eles precisavam, bons terrenos e muita água e tal como sucedeu na ocupação da Ribeira de Remondes estes devem ter seguido o Ribeiro dos trejeitos e depois seguindo para a Cabeda.

Estas terras são ricas em paisagens, e onde antes havia muitos rebanhos hoje poucos se vêm eu por sorte ainda vi dois, possivelmente não voltarei a ver outros tantos.

Defronte do ribeiro do freixo fica a imponente Fraga do poio, só acessíveis as aguias e outras aves que ali nidificam.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

1 × one =