Já cheira a Gorazes 3

A noite foi longa, cheia de sonhos e desejos o dia apareceu bem fresco e com um sol radiante que bom que vai ser dia de Gorazes.

Já vão pelo caminho muitos e muitos rebanhos de cabras, ovelhas e bois e vacas, e cada qual montado em seus burros ou machos lã ia todo o povo porque nestas alturas a aldeia ficava só com algum velho ou criança, que não pudesse andar.

Quando chegamos ao cruzeiro já se ouvia o barulho dos altifalantes anunciando cada um as suas atracões, ou banha da cobra que havia muita, eram tantas, mas cada um tinha as suas preferidas, o poço da morte era muito apreciado, porque não compreendíamos como pudesse a mota parar e andar por baixo…só se fosse por magia mas que ela andava isso era verdade., nos próprios vimos.

As cadeirinhas eram as mais fáceis todos gostavam delas e também por serem baratas, e de vez enquanto se viam os jogadores da vermelhinha que a faziam encima de um sombreiro fugindo logo que alguma autoridade se aproximava, como este jogo exercia uma atracão tão grande o jogador queria enganar o que jogava e o que jogava se pensava esperto suficiente para enganar o outro porque como via que quando jogavam entre eles e sempre ganhavam e depois se algum mais astuto tentava perdia imediatamente e eles fugiam a procura de outro lugar para encontrar mais um inteligente que caísse. Quantas pessoas perderam dinheiro neste jogo e para quantos foi uma desgraça tanto para eles como para suas famílias.

Os vendedores de brinquedos eram os mais desejados naquele tempo a maioria era de madeira porque o plástico ainda era raro como tudo mudou….senhor doutor…

Os robertos eram algo fascinante faziam muito barulho e davam muita pancada os jogadores eram ventrículos e tinham uma voz muito engraçada que atraiam a garotada e não só, as brigas pareciam reais faziam sonhar as pessoas. Que tempos senhor doutor.eram muito difíceis mas cada um tentava ser feliz a sua maneira hoje com tanta coisa não se é mais feliz, porque a felicidade é um estado de alma que cada um o vive a sua maneira e tenha o cuidado de ser feliz porque a vida é só uma não volta.

Havia também o jogo da barra os campeões conhecidos de todos como se fossem astros de futebol se faziam rogados para mostrar suas valentias, o Cangueiro de Brunhosinho e o Nestor que era cigano eram os mais conhecidos, eram ídolos senhor doutor…

O dia foi passando muito pequeno para quem desejava ver tanto mas o sol estava baixando e havia ainda o caminho do regresso a cavalo das mulas ou das burras era ainda mais uma hora até chegar para enfim poder experimentar os seus sonhos em casa porque no dia seguinte era outra vez feira.

Foi boa a feira, espero que tenham gostado para muitos isto mais parece ficção mas não é era a realidade. Continuem a ler para poderem compreender como a vida era.

Tenho ainda mais pois a feira continua.Atenciosamente.A.B.Cordeiro

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

fifteen − thirteen =