Passeio cultural, São Bartolomeu.

Hoje é dia de Gorazes, mas nem parecia, se eu fizesse este percurso há 50 anos, teria encontrado dezenas de pessoas que se dirigiriam para a feira

que se realiza em Mogadouro todos os anos dias 14,15,e 16 de Outubro, hoje nem uma alma, todos seguem de carro e por isso quando eu fui estava bem cedo e a noite era ainda presente e eu lá fui ladeira abaixo até ao S. Bartolomeu, e depois de regar umas oliveiras novas, o sol nasceu e eu pode fazer o que desejava pesquisar um local já por mim conhecido.

Não foi difícil de encontrar vestígios romanos, que penso serem os mais velhos já por mim encontrados no termo de Remondes.

Num terreno de oliveiras, que devem ter mais de 400 anos, encontrei restos de cerâmica, tais como tegulas, (telhas romanas) assim como imbrex e restos de vasilhas já muito partidos devido ao terreno ter sido muito lavourado.

Num local que vai desde a antiga fonte da Barata seguindo pelo olival dos Baptista Cordeiro, na direcção poente passando um pouco acima da casa ai existente no olival há 93 anos, mandada fazer erradamente pela família Baptista Cordeiro, com os restos da antiga capela do S. Bartolomeu, onde pode ser visto ainda hoje o portal, que talvez sem a casa tivesse  desaparecido, quem sabe para outra construção mais elegante.

Onde se encontra a casa é dentro do campo onde aparecem a olho nu muitos restos de cerâmica, e muito mais se encontra nas entranhas da terra e ficara por lá até que alguém mande fazer uma exploração do local , talvez daqui a alguns anos, quando as condições forem outras.

Hoje também é dia de caça, mas nem um tiro ouvi, talvez os caçadores estejam cansados do dia dos gorazes, existem ainda restos de construções do outro lado do ribeiro do atalho, mas todos se referem ao tempo da construção da actual ponte no século XVlll.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

15 + 2 =