O passeio cultural, relva e rebolal

Hoje é feriado, e eu aproveitei para fazer o meu passeio cultural, porque Domingo é dia de caça, e eu tenho medo de andar pelos montes e vales a procura do passado e apanhar uma chumbada de um caçador distraído.

Fui bem cedo, direcção relva e rebolal, onde pelas características do terreno pensava eu existirem condições para haver algo do passado, mesmo que nunca tenha sabido nem lido nada sobre algo de antigo nesta parte do termo de Remondes, mesmo que na minha infância tenha percorrido quase todos estes lugares dezenas de vezes.

Cheguei bem cedo, e fui directo a um local, que eu pensava ser o ideal para a fixação de povos antigos, num lugar onde hoje existe um olival novo, mas nada existia eu como sempre nunca desisto, e lá fui para o outro lado da Ribeira de Remondes sempre a procura de vestígios que não demoraram a aparecer, primeiro pequenas partes de cerâmicas e depois foi aparecendo um local onde existem vestígios bem maiores que aqueles que aparecerem na ponte velha, penso tratar-se de um pequeno povoado que deve datar da mesma época do que existiu na ponte velha.

Eureka disse eu para mim, quando vi tantos vestígios de cerâmica, um deles é de uma ânfora ou vasilha de cerâmica e muito mais, trouxe alguns para serem guardados no devido lugar, com a localização exacta de onde foram encontrados, num olival e onde podem ser vistos a olho nu, muitos mais.

O povoado se situava próximo da ribeira de Remondes na sua margem direita no sentido poente a poucas dezenas de metros do leito do rio num pequeno monte , onde nunca pensaria ter existido algum povoado nesta paragem.

È bem possível que os arqueólogos do baixo sabor, já tenham conhecimento dele, eu nunca soube nada, nem o imaginava aqui, fui com a convicção que a existir seria no cimo do rebolal, no monte do vila, onde eu imaginava todas as condições, mas me enganei, ali não havia nada, e o povoado estava bem guardado, num sobranceiro a ribeira de Remondes.

Pois é cara amigo, a vida é uma surpresa constante, ela nos surpreende a cada dia, onde imaginamos uma coisa, aparece outra, e na próxima vês penso que encontrarei outros vestígios num local que vou visitar.

Boa semana e tudo de bom fico a sua espera.

 

.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

twelve − ten =