O tratado de Fontainebleau em 1808

Em 1806, apos ter fracassado a tentativa de invasão da Inglaterra

Napoleão Bonaparte, decretou o bloqueio continental a Inglaterra, Portugal velho aliado desta negou-se a acata-lo.

Apos intensa pressão diplomática, sem que obtivesse um claro rompimento das relações luso-britânicas, Napoleão decidiu invadir o território de Portugal, e por uma questão logística

As invasões francesas foram muito desastrosas para Portugal e ainda piores para o seu aliado espanhol.

Tudo isto serve apenas, para falar um pouco do que nessa se passava na nossa terra, que viu passar a seu lado legiões de franceses, que saqueavam tudo a sua passagem, obrigando os habitantes desta terra a esconder tudo o que de bom tinham, incluindo os viveres, azeite e metais preciosos a fim de serem protegidos dos invasores.

O tratado em si, é de uma vergonha sem par, estavam a dividir o reino de Portugal sem o terem conquistado, e as nossas antigas colonias eram também objecto de partilha, mas saiu tudo furado, ainda bem este povo que tanto batalhou para ter o seu País não podia ser excluído do mapa, por um qualquer tratado.

Aqui estava tudo tranquilo mas preocupados com a chegada dos franceses, que destruíam tudo a sua passagem.

Aos vinte de Janeiro de 1807, se tomaram as contas ao preterido mordomo das Almas Francisco Faia, para entregar ao novo Custodio Fernandes, que ade servir o mesmo ano de 1807, presentes mordomo juiz e delegado. O padre, Manuel Gonçalves Nicolau, o juiz e o delegado Francisco Marcos e o mordomo Francisco Faia, todos assinaram .

No ano seguinte compareceram no dia 20 de Janeiro de 1808 onde se tomaram as contas das almas a Custódio Fernandes para entregar ao novo António José Pacheco.

Pelas contas não há alteração alguma, parece que aqui tudo estava tranquilo enquanto o resto de Portugal, sofria a invasão francesa.

Em 1808 foram tomadas as contas da Confraria do Santíssimo Sacramento de Remondes ao mordomo velho que tinha sido empossado em 1807, ao mordomo José dos Reis. De pão colheram-se 49 alqueires, Raymundo Martins, mordomo novo e José dos Reis mordomo velho.

Ao 20 de Janeiro de 1808 se tomaram as contas ca confraria de Santa Sinforosa a Miguel Alves mordomo preterido para entregar ao novo mordomo.

Desta forma houvera estas contas por certas e assinaram, o Juiz delegado Raymundo Martins, o mordomo Miguel Alves, e o Padre Manuel Gonçalves Nicolau.

Enquanto isto se passava, os invasores iam saqueando tudo o que podiam antes que tudo começasse a mudar, até serem expulsos da nossa santa terrinha.

Por incrível que pareça, os nossos vizinhos foram aqueles que mais sofreram, com a humilhação que eles nos queriam impor.

Tudo isto é passado e espero que nunca mais volte a suceder. Fonte Wikipédia

A.B.Cordeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

3 × three =