Documento de 1758 parte 2 

Os sete mil reis, cinco alqueires de trigo, e cinco almudes de vinho.

Tem esta aldeia quatro ermidas, uma do Espírito Santo, outra das almas que ficam no lugar, e outras duas, uma na aldeia do mesmo Santo Antão, e outra no São Bartolomeu, junto da ponte, indo mencionadas todas elas, pertencentes a Paroquia.

Os frutos, que da, com maior abundância, são, trigo, centeio, serôdio, linho e azeite.

Tem juiz e mordomo, é sujeito a comarca da vila de Mogadouro.

Não tem correio, e serve-se do da Torre de Moncorvo, e tem alujadouro na cidade de Miranda, chega nela e parte segunda-feira, dista desta freguesia donde me fala uma légua.

Dista da cidade do arcebispado 32 léguas e da capital sessenta.

Passa o Rio Sabor perto, com o qual se serve desde, lavar e muitas outras utilidades, nasce este rio na Serra da Silva reino de Castella.

A sua corrente é arrebatada, por jardins da serra, mas quero dizer que alguns anos se tem secado, em partes.

Entra nele neste termo o Rio Azibo, porcima da ponte de que abaixo se fará mençom. Não é navegável? `É de corrente arrebatada, e corre de nascente a poente.

Cria barbos, bogas, tem maior abundância, tem também algum sável, enguias e no seu começo trutas. É Livre para pescar.

Dizem que as aguas tem algumas virtudes para tomar banhos em Agosto, tem por desembocadura as águas amenas do rio Douro no limite da Torre de Moncorvo.

O português naquele tempo era um pouco diferente.

Atenciosamente A.B.Cordeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

5 × 2 =