Famílias de Remondes, os Pachecos.

Os Pachecos, são uma família muito antiga aqui em Remondes,

há notícias deles desde o princípio do século XVII. A primeira vez que parece citado o nome do Pacheco, é ´

Quando se realizaram as inquirições em 1858, em que é um dos assinantes e da pelo nome António Rodrigues Pacheco.

Num documento citado pelo Padre Mourinho há documentos que falam das tulhas do pão reconstruidas pelo mestre canteiro João de Morais, da vila de Izeda que no ano de 1796 arrematou sete tulhas no concelho de Mogadouro, pela quantia de 239.000 reis e pelo Mestre Carpinteiro António José Pacheco de Remondes, o qual arrematou a obra de reconstrução, das mesmas sete tulhas no que toca a carpintaria pela quantia de 130.000.

Estes pachecos que estamos seguindo nada têm a ver em princípio com aqueles vieram depois de 1900 vieram para esta terra. Teresa Pacheco, ficou na história desta aldeia por ter sido a primeira a ser enterrada no cemitério de Remondes em 19-05-1836.

Sem dúvida uma das famílias mais antigas desta aldeia, que viriam depois a fixar-se na quinta de Santo Antão, onde eram detentores de grande parte dos terrenos, sendo grandes proprietários.

Vamos seguir o que encontrei desta família. António José Pacheco o tal mestre de carpintaria era casado com uma prima Teresa Pacheco e tiveram os seguintes filhos, Alexandre José Pacheco, e Leonardo Joaquim Pacheco, Barbara Pacheco, e Teresa Pacheco, de quem vamos seguir a descendência. Leonardo Joaquim Pacheco, casou em Remondes com aos 15-09-1834, com Teresa de Jesus Alves, viúva que ficou de Joaquim Afonso, sem descendência. Barbara Pacheco casou com António Moreiras sem descendência, Teresa Pacheco casou com João Manuel de Matos sem descendência e Alexandre José Pacheco casou em Remondes, com Escolástica Maria Ribeiro por volta de 1810, e tiveram duas filhas, Luísa Joaquina Pacheco, casou na Igreja Matriz de Remondes, aos 17-11-1834 com, Bernardino de Senna, solteiro filho legítimo de Manuel António Neto e sua mulher Maria Preta naturais da Vila de Mogadouro, foram testemunhas, José dos Santos Gonçalves e Francisco Manuel Mendes.

Aos 23-05-1853, casaram na Igreja Matriz de Remondes Ana Maria Pacheco, filha legítima de Alexandre José Pacheco e sua mulher Escolástica Maria Ribeiro, tiveram filhos.

Manuel da Assumpção Pereira, Ana dos Santos Pereira, Maria Carlota Pereira e Felicidade da Graça Pereira.

Manuel da Assumpção Pereira casou em Remondes com Ana Maria Mendes filha de Francisco Mendes e Mãe incógnita.

António Maria Pereira casou em Soutelo morreu sem deixar descendência. Isabel Maria Pereira casou em Remondes, com Francisco Neves conhecido pelo africano sem descendência.

Carolino Augusto Pereira casou em Remondes aos 04-05-1936, com Germana da Assumpção Silve tem descendentes.

Teresa de Jesus Pereira, casou em Remondes aos 19-10-1940 com Luís Maria Esteves tem descendência Luís Maria Esteves

Maria Luiza Pereira casou em Soutelo com António Augusto Tardego, aos 28-10-1935 tem descendentes. Aníbal Pereira morreu solteiro.

António Maria Pereira, Aníbal Pereira,

Ana dos Santos morreu sem descendência. Maria Carlota Pereira casou em Remondes com Francisco Joaquim Familiar.

António Augusto Familiar, casou em Remondes aos 04-06-1927, com Angélica da Cruz Cameirão, emigraram para o Brasil onde tem descendência.

Justina da Cruz Familiar casou em Remondes aos 16-08-1927 com Alfredo Maria Neto de Brunhoso.

Cândida de Jesus Familiar, casou em Remondes aos 18-01-1929 com José do Nascimento Martins emigraram para o Brasil.

Manuel Joaquim Familiar casou em Remondes aos 28-12-1935, com Sinforosa de Jesus Saldanha tem descendência.

Ana Maria Familiar, casou em Remondes aos 04-09-1939, com Enio do Nascimento Gaspar emigrou para o Brasil onde tem descendência

Felicidade da Graça Pereira, casou em Remondes com Inocêncio da Purificação Costa, tiveram uma filha Maria carlota Costa, que casou com Artur Maria Pires ou pardal teve descendência

Aqui deixo a história desta família embora não chegue aos nossos dias porque se tornaria muito extensa espero gostem.

A.B.Cordeiro

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

thirteen + six =