A festa de S. Bartolomeu

Depois de alguns anos realizou-se uma missa na capela de S. Bartolomeu, que foi mandado construir em 1975, de uma promessa feita pela família Baptista Cordeiro, para tentar remediar um erro cometido pelos seus familiares, que levaram todo a pedra da antiga capela que já estava em ruinas antes de 1900, por volta de 1919, tendo um habitante desta terra me contado que ele andou lá a transportar a pedra com uma junta de bois, para um olival onde foi feita uma casa e onde se encontra o antigo portal da antiga capela, que era de cantaria e se situava defronte desta mas do outro lado do ribeiro onde o caminho antigo tem uma curva, nas inquirições de 1758, o cura diz que a ponte tem cinco olhais e o rio por vezes seca.

A antiga capela foi erguida há muito tempo, dizem que serviu para rezar a missa para os operários que construíram a ponte e como casa mortuária para aqueles que morreram sem ter familiares a reclama-los.

Num documento de 1758, diz o inquiridor que existe uma capela em honra de S. Bartolomeu e que é dita missa todos os domingos, o que prova terem habitado pessoas na sua redondeza e podem ser vistos muitos vestígios de casas, e de uma taberna que era a taberna do Sorrilha, que não era destas terras mas que se estabeleceu aqui onde ganhou muito dinheiro tendo depois comprado um casal em Linhares onde viveu e de onde partiu para o Brasil pelos anos 30.

Há muitos vestígios antigos alguns datando do período romano como os que foram descobertos junto da ponte velho mas bem próximo da antiga capela existem também vestígios muito antigos.

É preciso recordar que antes da construção da estrada que vem de Macedo para Mogadouro pelos anos de 1876, era por aqui junto da capela que as Diligencias passavam na direção a Remondes e depois Mogadouro.

Era um local muito aprazível com muita água todo o ano, propicio a fixação das pessoas, depois que foi feita a estrada, de Macedo a Mogadouro, perdeu quase por completo o seu valor tendo o último habitante saído de lá por volta de 1920.

Houve outros períodos todos ligados as obras que foram feitas por estes lugares em que teve novamente habitantes, mas de pouco significado, uma taberna e pouco mais, hoje existe a capela que nos vai lembrando da herança que nossos antepassados nos legaram e que devemos conservar.

A. B. Cordeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

sixteen + 18 =