O saber popular, o sapo gandares

O saber empírico, ou saber popular que se encontra por todo o lado, e no profundo, da nossa gente, que mesmo não tendo muita cultura, tem muito saber e é muito importante que seja escrita para perdurar no tempo.

Há dias, ouvi contar a um senhor da nossa terra, uma história, que começa assim.

Depois de um dia de trabalho, lã para os lados da cova dos coelhos, regressando a casa no dia 9 de Maio de 1975,o senhor Amândio Magalhães, ficou espantado ao ver que os sapos gandareses fugiam do ribeiro dos trijeitos, onde tinham água, para a terra firme, o que chamou atenção dele, pois não sabia o porque, mas que havia algum motivo ele nem duvidava, lá tinha a sua razão.

O dia estava muito quente, e começaram aparecer nuvens no céu azul, e algum tempo depois, se formou uma trovoada tão grande, daquelas que perdura na memória para sempre, começou a chover e a água era tanta que levou tudo, e o sapo lá tinha razão, se tem ficado no ribeiro dos trijeitos, com certeza que teria morrido. Foi em Maio de 1975 que o fenómeno se passou e desde essa data o povo olha com atenção o movimento dos sapos gandareses.

Agora é verão e nesta altura para chover ou há-de trovejar ou arrefecer, mas como esta quente, talvez venha uma trovoada e o senhor Altamiro viu um grande sapo que infelizmente alguém matou na beira do caminho, mas só o motivo de ele estar ali, logo me contou, que pode acontecer que o fenómeno se repita, sabedoria popular Hoje é segunda dia 22 de Agosto, e ontem choveu muito, se foi graças ao sapo ou não, so sei que foi muito bom, lá isso foi para a azeitona e para semear as naviças.

O saber popular baseia-se na experiência, por vezes da certo outras não, mas o que interessa é quechoveu muito e sem dar prejuizo.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

fourteen − 13 =