O moinho dos Pacheco

Quem não conhece o Azinhal? Fica situado este moinho no lugar chamado de barrancos e eu fui pelo primeira vez até esse local para poder ver inloco o que ainda resta do antigo moinho, e para poder admirar como foi possível deslocar as rodas que lentamente moíam os cereais de tão longe e por um caminho tão íngreme.

Tal como dizia o padre Carvalho no seu Dicionário Coreográfico de 1717 que descrevia o Azinhal como sendo um matagal onde só havia lobos e javalis e outros animais selvagens, hoje depois de ter sido quase todo plantado encontrasse ao abandono e dentro de pouco voltara para trás no historia e será o mesmo matagal

A localização deste moinho era muito complicada devido a não ter acessos fáceis, mas o que foi mau para uns foi bom para o moinho que ainda conserva as pedras e suas relíquias. Se não já estariam nalgum jardim como relíquias que a todos pertencem

Eu atribuo aos Pachecos mas ele pertenceu, em ultimo a um moleiro que era de Castro Vicente que fica na outra margem do rio, que é ainda mais íngreme o seu acesso.

Dentro de pouco será mais uma lembrança pois o progresso não para e ele ficara para sempre no fundo da barragem que se esta a construir em Moncorvo.

O que se pode ver lã? São restos da construção onde se situava o moinho propriamente dito onde a água corria e com sua força fazia mover as rodas e estas uma um pouco longe fruto de ter sido arrastada pela corrente e a outra ainda enterrada no seu sono profundo.

 

O moinho dos Pacheco

Quem não conhece o Azinhal? Fica situado este moinho no lugar chamado de barrancos e eu fui pelo primeira vez até esse local para poder ver inloco o que ainda resta do antigo moinho, e para poder admirar como foi possível deslocar as rodas que lentamente moíam os cereais de tão longe e por um caminho tão íngreme.

Tal como dizia o padre Carvalho no seu Dicionário Coreográfico de 1717 que descrevia o Azinhal como sendo um matagal onde só havia lobos e javalis e outros animais selvagens, hoje depois de ter sido quase todo plantado encontrasse ao abandono e dentro de pouco voltara para trás no historia e será o mesmo matagal

A localização deste moinho era muito complicada devido a não ter acessos fáceis, mas o que foi mau para uns foi bom para o moinho que ainda conserva as pedras e suas relíquias. Se não já estariam nalgum jardim como relíquias que a todos pertencem

Eu atribuo aos Pachecos mas ele pertenceu, em ultimo a um moleiro que era de Castro Vicente que fica na outra margem do rio, que é ainda mais íngreme o seu acesso.

Dentro de pouco será mais uma lembrança pois o progresso não para e ele ficara para sempre no fundo da barragem que se esta a construir em Moncorvo.

O que se pode ver lã? São restos da construção onde se situava o moinho propriamente dito onde a água corria e com sua força fazia mover as rodas e estas uma um pouco longe fruto de ter sido arrastada pela corrente e a outra ainda enterrada no seu sono profundo.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

two × one =