A serra das velhas.

É uma tradição muito antiga, que nos últimos anos tem sido esquecida. Durante a noite juntam-se, os rapazes em grupos e por volta da meia-noite começa a grande algazarra.

É realizada sempre na quarta-feira que antecede o meio da quaresma.

Nos tempos da minha juventude era frequente esta tradição, e o padre era quase sempre o Manuel Gonçalves conhecido por manel pichorro.Ele usava uma batina branca, formada com algum lençol, e seguia sempre encima, de um carro de bois, rodeado de toda a mocidade. Dois tinham embudes com os quais gritavam e os rapazes respondiam em coro.

Uma certa vez prenderam o manel com uma corda de modo que não pudesse fugir, quando as velhas mais radicais, lhe lançavam os dejectos, que tinham guardado em casa e não devia de ser muito agradável. De uma vez quase o mataram jogaram-no encima do carro prezo pela rua das fragas, ele a gritar lá foi até ao ribeiro mas não era a sua hora.

Consiste em percorrer a aldeia em cortejo, parando a porta das velhas a serras, Chegando ai cantam em tom fúnebre, através de um embude ..

Estamos no meio da quaresma/ já a Pascoa é chegada/ uns dizem serre-se a velha/ e outra a velha seja serrada.

Se é rica e tem dinheiro/ faz-se o ofício por inteiro/ se é pobre e não tem nada/arma-se-lhe uma gargalhada/ os acólitos rapazes novos fazem as exéquias que convêm ao ritual, serram os paus, tocam chocalhos, choram as lágrimas dos netos.

Olha lá minha avozinha/muito nos fazes pensar / nos vamos pedir a Deus/ para muitos anos te serrar.

Serra, serra nesta velha/ como quem serra em chicha crua/ há-de dar boa madeira/para fazer uma charrua, e neste momento o padre dizia, chorai meus netinhos e o chorai, e ouvia-se o choro que fazia delirar a assistência.

Boa noite avozinha/boa noite te viemos dar/aqui estão teus netinhos/ para os acabares de criar e o refrão seguia, chorai meus netinhos, chorai.

As velhas eram casadas, o que escandalizava aquelas que não levavam isto para brincadeira e o pobre do manel pichorro era depois disto o mais visado.

É uma tradição e como tal é aqui vai, mesmo que não estivesse de acordo era assim.

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

14 + nine =