A Quinta de Santo Antão

 Abrigada dos ventos entre o cabeço da paixão e o cabeço castanho e num lugar onde existia muita água., condição para que as pessoas se fixassem no local.

È lugar muito antigo a primeira vez que se encontra mencionado o seu nome foi quando do baptizado da Infanta D.Isabel filha de D. Pedro segundo e de D. Maria Francisca de Sabóia no qual se encontravam vários fidalgos senhores de muitas terras e de entre eles estava D. Luís Alvarez de Távora senhor de muitas terras de entre elas Remondes e Santo Antão. que tal como hoje estava a ela anexa.

Mesmo tendo tido sempre uma população constante só em 1933 é que teve autorização para realizar as cruzes devoção muito fervorosa na época, sendo para tal autorizado por documento do bispado de Bragança

A sua maior população ocorreu no século dezanove, segundo me disse um habitante teve até um pároco chamado Russo mas que não pode confirmar., penso que nunca existiu não existem documentos…

Por aqui passou uma lenda da terra que todo o povo conhecia que foi a fuga de uma habitante de Linhares com um cigano e que na fuga apressada perdeu diz a lenda o seu lenço sendo um sinal para os criados ir recuperar a patroa bem perto de Macedo.

Hoje é um monte de ruínas conforme pode ver nalgumas fotos que existem na foto galeria dedicada a Quinta de Santo Antão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

18 − six =